sexta-feira, outubro 27, 2006

Talvez amanhã


Quando ela chega, inunda o ambiente com palavras que atropelam quem com elas se cruza.

Palavras evitadas pelos outros, palavras com cheiro a “déjà-vu”, palavras soltas, sem nexo, não articuladas, palavras voláteis como bolas de sabão, que não deixam rasto nem boa recordação.

Talvez amanhã, ou mesmo hoje (quem sabe), essas palavras mudem de guarda-roupa, de cenário, de condição.

Talvez amanhã, ou mesmo hoje (quem sabe), ela deixe de se parecer com o tal elefante numa loja de cristais.

Assim, quando ela chegasse, pintava de tons pastel o ar que respiramos com palavras doces e subtis.

4 comentários:

Bruna Pereira disse...

As palavras... Ai as palavras.
Contam-nos tudo.
E eu gosto das tuas. :)

mfc disse...

Os outros são diferentes de nós.
Oxalá assim continuem.

Isabel disse...

Adorei vir aqui. adorei a forma como escreves e a forma linda como sentes.
Visita-me... eu ia adorar.

Beijo.

Isabel

Isabel disse...

Vom deixar-te um beijo de bom fim de semana.


Isabel