sexta-feira, outubro 22, 2010

Quem disse que agora ia ser diferente?

Quem disse que agora ia ser diferente?

Sento-me, recorto as palavras e faço-as deslizar para o exterior. Depois espero o feedback. Chegam movimentos convencionais e açucarados, chegam sobressaltos e intranquilidades, chegam réstias de bom humor que me cercam e me alvitram que as receba de bom grado. Analiso-as sem filtro, sem passagem pela alma e sinto as pálpebras pesarem novamente. O cansaço entorpece-me os movimentos, retarda-me a reacção. O medo e a intangibilidade da fasquia tolhem-me a fluidez do discurso e interferem na expressão facial.

Levanto-me e resisto, como sempre.

4 comentários:

ADry disse...

Adoro o k escreves, pah! =P

Tina disse...

E eu adoro saber que me lês! :-)

ADry disse...

Eh eh eh!!! :)
Sempre por aki... =P

Ensina-me a 'escrever'... pk a mnh veia ja' passou!!!

Tina disse...

Não acredito, Adry... deve haver algum qualquer coisa dessa veia ainda. Procura mais uma vez...